segunda-feira, 12 de março de 2012

Rio da Vida

 

Há os que nadem na direção certa, junto à correnteza
e de forma tão coesa que se fundem ao próprio rio.

Há os que nadem contra ele, exaurindo toda força
e criando as próprias ondas, parando nas margens do rio.

Há os que são levados no arrasto, atropelados
engolindo água, rolados, descendo rio abaixo em rodopio.

Há os que simplesmente se neguem ao nado, contrariados
e antes mesmo do compasso, desistem do desafio.

Mas a todos aqueles que em suas águas passarem,
seja de forma dura ou suave, o encontro é com o mar.

É sempre esse o destino do rio.


Poesia de Daniele Martins Rodrigues